Quem está no poder não larga o osso fácil

Ninguém pense que o PT vai deixar o poder assim tão fácil. Vão lutar, espernear de todo jeito, ameaçando colocar seu exército de militantes na rua. Por diversas vezes o ex-presidente Lula tem provocado uma disputa de classes, afirmando que tirar a Dilma é golpe dos mais ricos contra os mais pobres, especialmente os nordestinos.

Difícil, e quase impossível pelos meios legais conseguir votar a cassação do presidente da Câmara Eduardo Cunha. Ele usa de todos os artifícios para evitar que as reuniões do Conselho de Ética aconteçam no prosseguimento ao processo contra a sua pessoa. Bate bocas sem fim e até lutas corporais acontecem no plenário, com parlamentares contra e a favor do processo de cassação. Era este o ambiente político antes do Golpe Militar de 64.

Enquanto nada se concretiza, nem processo contra Eduardo Cunha e sequer impeachment de Dilma Rousseff, é o Brasil e seu povo que perdem nesta batalha sem fim. O país está parado economicamente, investimentos externos não chegam, inflação em alta, desemprego também, e o futuro da nação indo para o buraco.

Nada vai ser resolvido democraticamente e com bom senso no Congresso Nacional. No meu entender, esta é a hora do STF-Supremo Tribunal Federal, entidade maior para resolver pendências políticas e judiciais, entrar nesse impasse e determinar ele mesmo uma solução para o bem da nação.

Bastaria a Suprema Corte baixar uma norma fechando o Congresso Nacional por seis meses, destituindo dos cargos todos os deputados federais e senadores e instituindo uma Constituinte para eleger novos parlamentares. E com os políticos perdendo suas imunidades e prerrogativas, a Operação Lava-Jato prosseguiria na sua ação, agora investigando, denunciando e prendendo também deputados e senadores envolvidos em corrupção. E devem ser muitos.

Só uma atitude extrema como essa do STF poderia dar fim às cenas de pugilismo, palhaçadas e desrespeitos dos parlamentares com os cargos e com os seus eleitores, permitindo que o país saia dessa inércia e volte ao caminho do trabalho e da paz.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*